Não estou feliz com a minha carreira, o que devo fazer?

O que acontece quando fazemos escolhas erradas na vida profissional? Provavelmente esse tipo de frustração acaba influenciando na vida pessoal também. Quando o assunto é carreira, é comum escutarmos histórias de pessoas que aprenderam com seus erros e no final tudo se encaixou a acabou terminando bem. Então para tudo tem um jeito!

Antes de escolher qual carreira seguir, é importante entender quais seus propósitos na vida e entender o que te motiva de verdade, isso ajudará na hora optar por uma profissão.  Caso já tenha se decidido e se arrependido depois de formado e já atuando em sua área, é bom ter em mente que nada está perdido e que erros são bons porque acabam se tornando um elemento impulsionador para o sucesso.

Outro grande problema do mundo corporativo são as pessoas que assumidamente odeiam o seu trabalho, porém precisam de dinheiro. A insatisfação profissional é um dos maiores dramas da vida adulta. Para resolver isso, é necessário entender a origem dessa insatisfação. Você não gosta do seu chefe? Da empresa? Ou de fato, das suas atividades? O principal é assimilar que dinheiro não é mais importante que felicidade.

Em certas ocasiões você fez a faculdade certa, mas é o seu ambiente de trabalho que não te agrada, então você acaba assumindo a culpa por ser frustrado na vida profissional e ter escolhido errado. Quando se chega a essa conclusão, significa que está na hora de procurar por um novo ambiente no mercado de trabalho.

Existem casos que a graduação que a pessoa possui não a agrada completamente então ela está alocada em uma área que consequentemente acaba não agradando também, porém há a possibilidade de fazer uma pós ou outro tipo de especialização mais inclinado para aquilo que se identifica.

Vale frisar que tudo deve ser ponderado. Não adianta sair por aí fazendo cursos e especializações, é preciso ter certeza daquilo que quer fazer ou seguir. A chave para o amadurecimento profissional é avaliar a sua capacitação e verificar o que ela lhe permite fazer. Analise outras áreas que te chamam atenção e tente estudar quais são os processos para chegar a atuar nela. O mais importante é ter sempre em mente que nunca é tarde para mudar!

Em todos esses casos é recomendável buscar a ajuda de um profissional que o auxilie a repensar a sua vocação profissional. É preciso ampliar o autoconhecimento que você possui sobre si mesmo:
(1) identificar o que valoriza;
(2) o que gosta de fazer;
(3) identificar as suas habilidades natas, isto é, o que você faz bem feito sem ter que se preparar e/ou treinar;
(4) identificar o que faz sentir pleno e realizado como pessoa.

A felicidade e o sucesso profissional é alcançado a medida que eu faço aquilo que me sinto bem – nesses casos o envolvimento e dedicação do profissional assumem características difíceis de serem medidas porque quanto mais ele se dedica, maior é seu envolvimento e sua satisfação pessoal. Não há sacrifícios no fazer, somente prazer e preenchimento interior porque se faz aquilo que se gosta.